A imprensa e o poder que ela te dá

diariosantamaria

O poder é seu. Todo seu. Você pode desligar a televisão ou mudar de canal. Ouvir apenas música no rádio. Acessar sites com os conteúdos específicos que te interessam. Passar batido pela banca de jornais e revistas. A escolha é sua. Você não precisa acompanhar a intensa cobertura de mais uma tragédia. Mas eu acredito mesmo que você deveria… Porque a imprensa incomoda pra que ninguém se acomode.

Eu sei… Concordo que tem muito veículo, programa, carregando nas tintas. Apelando para o sensacionalismo. Mas nós sabemos, eu e você, quais são eles. E basta não dar audiência, se assim cada um desejar. Só é bom lembrar que o sensacionalismo existe porque há quem se interesse. Não é pouca gente. Nem é o seu caso, certo? Você só quer assistir/ler o jornal diário sem ter que saber de mais sequestros, assassinatos, assaltos, desigualdade… Aí, sou obrigada a te contar um segredo… O problema não é o jornalismo. É a sociedade em que a gente vive. É a sociedade que se acomoda porque não gosta de ser incomodada.

Mas você vai insistir comigo: por que continuar noticiando os desdobramentos de dramas como o que envolve hoje a cidade gaúcha de Santa Maria? Pra quê? Eu te devolvo a pergunta com outra pergunta… Será que se você soubesse dessa história apenas por meio de uma nota rápida, anunciada no jornal, que 235 jovens morreram numa boate que pegou fogo, você se comoveria? Talvez, surgisse um pensamento breve de “ai, que tristeza tão grande”. Mas eu acho que a maioria de nós consideraria mais um fim trágico entre muitos outros.

Quando obrigados a observar cenas de desespero, de salvamentos, de medo, de revolta, de perda, junto com informações que detalham a dor, somos impactados. Primeiro, ficamos perplexos. Depois, sentimos profundamente, nos colocando no lugar daqueles que estão sofrendo. Daí em diante, alguns colocam a mão na massa pra ajudar de alguma maneira. Outros, rezam. Alguns, cobram mudanças para que situações assim não mais aconteçam ou pelo menos diminuam. Há quem prefira ignorar, o que é um direito. Mas boa parte de nós compreende que esse não pode ser mais um fim trágico entre muitos outros. Uma transformação é urgente.

O noticiário de hoje, em todo o Brasil, destacou reforços na fiscalização das casas noturnas. Governos municipais, agora, exigem alvarás de funcionamento em dia e planos de emergência rigorosos. Descobri que dois lugares que frequento em São Paulo não tinham alvará. Minha segurança estava em risco e eu nem desconfiava. Será que se a tragédia de Santa Maria não ganhasse à exaustão destaque na imprensa nossos governantes teriam se mexido? Olha, eu acho que não…

A imprensa te fala da tragédia. E te ensina quais são seus direitos civis e humanos. Onde, como e com quem você pode reclamar por eles. Conta o que fazer para melhorar sua saúde. Explica quais são as tendências de mercados, de comportamentos, das artes. Ajuda a entender como sair do vermelho. Mostra o mundo grande que nos cerca – e como temos cuidado mal dele.

A imprensa também erra. A imprensa, muitas vezes, poderia fazer melhor do que faz. Eu, que sou parte da imprensa, tenho minhas críticas a ela. Mas garanto que não falta gente na profissão empenhada em querer o melhor para o público. Porque a imprensa convive com a simbólica expressão “o quarto poder”. O que a maioria de nós deseja de verdade, no entanto, é que o empoderado seja você.

Crédito da imagem: Diário de Santa Maria

Anúncios

4 respostas em “A imprensa e o poder que ela te dá

  1. Claro q a boa imprensa, a imprensa séria, essa não incomoda jamais, muito pelo contrário, sem ela o q seria de nós simples mortais, na verdade o não gostamos e eu digo nós, me referindo aos cidadãos comuns, aqueles q vivem o dia à dia das cidades, com seus problemas e angústias. O q nos incomoda de verdade, são esses pseudo jornalistas q por trás de um jornal ou de uma emissora de rádio ou televisão, usam da palavra, pra exagerar e chegar ao limite total do sensacionalismo.

    • Você tem razão, Nazaré… Concordo. E, por isso, reforço que o poder é do público. O sensacionalismo só existe porque tem audiência/leitor. Se não tivesse, não existia. As pessoas precisam aprender a escolher o meio pelo qual desejam se informar. Elas têm o poder de dizer o que deve ir adiante ou não… Bjão!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s