Ansiedade. Insônia. Criatividade?

ansiedade

Lá se vão duas semanas de noites mal dormidas. Sonhos perturbados. Mente inquieta. Avaliar, bem no meio da madrugada, se as escolhas estão certas, se consigo mesmo lidar com determinadas situações. Preocupações sobre como vai ser de agora em diante. O que continuar? O que desistir? O que apenas suspender por um tempo? Penso, logo, não consigo dormir. Tento seguir o batido conselho de que, ao deitar a cabeça no travesseiro, nada poderá ser resolvido naquela hora. E como faz? Não é pra mim, que penso, analiso, teorizo tudo, o tempo todo.

Não, não adianta me dizer “vá meditar”. Eu tento. Todas as manhãs. Não tá fácil. Minhas horas semanais de yoga têm sido apenas exercícios físicos – enquanto meu cérebro tá na maior trip. Até na contagem das séries de musculação eu tenho me perdido. O corpinho tá firme no leg press. A cabeça, não. Inferno astral? É, tô nele até dia 17. Mas mais do que um teste de conjunções planetárias, do universo, tanta atividade mental é reflexo de uma transformação intensa que começou lá atrás, em julho. Lembram? O sabático… Que agora chegou numa espécie de trincheira…

Tem duas coisa que eu invejo: a capacidade que muita gente tem de deitar e dormir quase automaticamente e a capacidade de tantos outros de não esquentar a cabeça com nada. Sou muito pouco evoluída nesse quesito. Tô tentando melhorar. Eu diria que fui bem até aqui, inclusive. Mas uma hora o monstro interior surpreende novamente, aquele que te corrói. O meu é a ansiedade. Aliás, uma das verdades que levei na cara nos últimos meses é que sou ansiosa por natureza. Achava que tinha muito a ver com o ritmo, a pressão, de ser jornalista. Também tem. Mas existe uma pré-disposição natural dentro de mim que precisa ser trabalhada.

Não estou só! Somos 10 milhões de brasileiros ansiosos, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). A vida moderna dá um empurranzão pra esse número ser tão alto. Muito do nosso dia é instantâneo. Muito do nosso dia é isolado em nós mesmos. É fugaz e fica um vácuo difícil de explicar, que só dá pra sentir. Construímos vazios em meio aos muitos meios de nos comunicar, numa quantidade que nunca tivemos. Devia ser o contrário, se as possibilidades são tamanhas. E os usamos em igual proporção para nos protegermos excessivamente. Geralmente, para protegermos o coração. Vivemos na dúvida. Ficamos ansiosos.

E um dos sintomas mais recorrentes da ansiedade é justamente a insônia. Confesso a vocês que algum mérito as noites em claro têm: criatividade. Quantas não foram as vezes que acordei do nada e escrevi o início de um texto do jeito que eu realmente desejava? Nos últimos dias, eu tenho despertado na escuridão do meu quarto com novas ideias sobre o que escrever. Parágrafos inteiros vêm à mente. Não deixa de ser curioso porque, quando criei o blog em outubro, eu deixava um monte de post pronto antes de publicar. Tinha medo de não me “inspirar” na hora que precisasse colocar na tela do MacBook o que eu tinha a dizer. Eram textos diferentes do que eu estava acostumada a publicar na imprensa. São mais analíticos, observacionais. Por vezes, tão pessoais…

Fiquei um tanto aliviada ao descobrir que a ciência explica a ligação da minha perturbação com minha criação. Um estudo da Universidade de Albion, em Michigan, Estados Unidos, com 400 universitários, mostrou que aqueles que foram privados de horas de sono apresentaram uma performance 50% melhor durante testes. Claro que é uma pesquisa entre milhares. Provavelmente, há alguma que diga o contrário. Mas eu preciso me apegar a alguma coisa! Pelo menos enquanto meu cérebro não entender que meu processo criativo pode funcionar bem em horário comercial…

Crédito da imagem: Dirks Big Bunny (Cultura Inquieta)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s