As mulheres da minha vida

Trabalhar especificamente com mulheres não foi algo que planejei desde sempre. Foi a vida mesmo, a minha e de pessoas que me cercam ou cercaram, que mostrou a necessidade grande de discutir preconceitos arraigados que ainda tornam o cotidiano feminino muito mais difícil e temeroso em aspectos sociais, pessoais e profissionais.

Essa jornada completou neste mês de julho um ano. Há exatos 12 meses eu chamava uma das minhas melhores amigas pra conversar numa tarde de domingo sobre questões como mulheres trabalhando o mesmo ou melhor e ganhando menos; profissionais serem demitidas logo após a volta da licença maternidade; homens que ainda acreditam que mulher tem que obedecer e aguentar desaforos, entre tantos outros temas que se transformam em obstáculos para que elas acreditem profundamente em seus potenciais e possibilidades. Para saber mais: www.mulheresageis.com.br e www.facebook.com/mulheresageis.

O que eu não imaginava era quanto esse caminho se tornaria absolutamente rico em conhecimento e conexões com mulheres sensacionais. Desde então, não há um dia praticamente que eu não conheça ou descubra a história de uma mulher foda. De uma mulher que inspira, que ajuda, que cria, que é pioneira, que é uma sobrevivente, que consegue tudo e mais um pouco. Nem um dia. Porque eu entendi que somos muitas. Só não estávamos falando sobre isso, não trocávamos nossas experiências. Ganhamos palco. E a gente merece demais.

Eu também não me dei conta do quanto trabalhar com mulheres me faria pensar e repensar nas histórias das mulheres da minha vida. Minha mãe, minhas avós, minhas tias, primas, amigas, professoras. De quanto, Deus, elas são fantásticas. Do quanto elas foram fortes mesmo quando alguém disse a elas que eram fracas, que podiam menos.

Tive a sorte de viver em meio tanto a mulheres fortes quanto a mulheres sensíveis. Me ensinou a valorizar o equilíbrio. Me ensinou que a forte também carrega a delicadeza e a sensível vira rocha quando necessário.

Outro dia alguém me questionou se eu sempre desejei ser empreendedora, ter negócio próprio. Não. Mas sabia que eu “empreendia” meus sonhos. Sempre corri atrás do que queria, criava estratégias. Tive exemplos lindos de perseverança, inclusive de homens.

Mas a capacidade de acreditar e realizar, eu entendi, veio especialmente da minha avó materna, a dona Lourdes. Que aos 28 anos pegou a filha pequena pela mão, entrou num navio em Portugal, e desembarcou no Brasil para recomeçar a vida, dar um futuro melhor para sua menina. Filha essa que ela transformou em uma historiadora e professora universitária mesmo com estudando apenas até a terceira série. Ninguém pensaria na minha avó, tímida, calada, com traumas, como uma empreendedora. E agora eu me pergunto: como não enxergar minha vozinha como uma desbravadora, minha maior inspiração?

Foi minha avó, quando eu era bem pequena, que primeiro me disse: mulher tem que trabalhar, estudar e ser independente. Lembro claramente dessa cena. Ela passando roupa na cozinha e esquentando meu ferrinho de brinquedo com o ferro de verdade para eu “brincar” de passar os lenços do meu pai. Eu tinha uns 6 anos.

Demorou muito, mas muito mesmo para eu ouvir algo assim de outra pessoa. Minha mãe começou esse mantra quando eu já era adolescente. Fora de casa, foi uma professora de física, quando eu já estava com 17 anos.

Hoje, eu comemoro e agradeço por empreender com propósito e saber que posso ajudar a transformar para melhor os dias de tantas outras mulheres. Especialmente, eu comemoro e agradeço à vida por me mostrar bem cedo que ajudá-las era destino.

***

Para comprar on-line meu livro Tem Dia Que Dói – Mas não precisa doer todo dia e nem o dia todo (Editora Volpi & Gomes), acesse: https://temdiaquedoi.lojaintegrada.com.br/

Anúncios

Não se acostume só com proximidade virtual

Acordei numa manhã gelada de domingo, há um mês, com os olhos ainda meio borrados da maquiagem mal tirada. Logo cedo, enquanto limpava melhor o rosto, lembrava do quanto o dia anterior, do casamento da minha prima, foi feliz, lindo, caprichado, emocionante. Mas uma das minhas tias não me saía da cabeça. Desde que eu havia acordado; ali, enquanto tomava meu café quentinho. Não tirei foto com ela e acabamos conversando pouco na festa.

Resolvi mandar mensagem. Oi, tia! Oi, minha linda! O que tá fazendo? Já tá quase tudo no carro. Quase tudo o que, tia? Ué? Até minha televisão grande. E vai onde? Morar lá perto deles.

Minha tia mudaria não só de cidade, mas de estado. Pra junto da filha única, da netinha e do genro. Vai começar vida nova perto dos queridos. Fiquei feliz por ela, e triste. Tinha em mente marcar um café em breve, colocar conversa em dia. Por que não marquei antes, poxa?

Muito por essa falsa sensação que as redes sociais nos dão: de que tá todo mundo perto, logo ali. É reconfortante, por um lado, acompanhar o dia a dia de quem a gente quer bem em fotos, compartilhamentos. Fazemos contato rápido. Mas é um tapa na cara quando a gente percebe que fica na tela do computador ou do smartphone vendo a vida passar e o aconchego do abraço, do olho no olho, acaba em último plano.

Já se deram conta quantos filhos de amigos vocês estão vendo crescer só pelo Facebook? Pensei nisso outro dia… É maravilhoso ter a chance de acompanhar o desenvolvimento dos pequenos por fotos, vídeos… Mas não pode ser só isso! A não ser que a pessoa more muito longe. Não pode a amiga ter bebê e você ver essa fofura um, dois anos depois!

O cotidiano é de pressa, sem dúvida. Estamos na batalha. Redes sociais nos conectam. Mas não nos afagam. Acho fantásticas as possibilidades que o mundo digital nos dá, pessoais e profissionais. Devem, no entanto, ser apenas meio de levar ao real. Não é a vida. É só um frame.