A casa para onde sempre se pode voltar*

Já moro em São Paulo há mais de oito anos. No começo da vida aqui, descia a serra toda semana para rever a família. Chamava lá de ‘minha casa’, como se a capital fosse apenas um detalhe necessário para trabalhar na área que escolhi. Mas aí vieram os amigos. As festas. Os amores. Uma cidade para descobrir. E as visitas familiares foram espaçando. O lugar que eu chamava de casa passou a ser a metrópole, definitivamente.
Só que na fase dos 30 anos você começa a se fazer um milhão de questionamentos. E também a compreender algumas verdades muito mais duras do que poderia imaginar. Uma das realidades que despencou na minha cabeça foi que, um dia (espero, de todo coração, que seja um dia bem, bem longe), meus pais não estarão mais lá. É o tipo de situação que nunca nos preparamos para enfrentar, mesmo que seja o natural da vida. Pensar nela apavora.

Uma segunda-feira dessas, minha mãe ligou. “Filha, você vem esse fim de semana?” Eu disse que não, que seria uma semana cansativa, que eu tinha já compromisso para o sábado. “Tudo bem…”, respondeu a voz materna, tentando disfarçar uma pontinha de tristeza. Na terça-feira fui caminhar de manhã entre a Vila Leopoldina e a City Lapa. Por ser uma região plana e arborizada, muita gente faz corrida e caminhada por ali.

Nas minhas andanças sempre cruzei com duas senhoras, mãe e filha, que caminhavam diariamente. A senhorinha – que um dia, numa conversa rápida com elas, contou que teve um box no Ceagesp durante décadas – segurava no braço da filha para se apoiar num trecho ou outro do exercício. Há algum tempo já não as encontrava.
Naquela terça-feira, vi a mais moça, sozinha, sentada num banco de uma praça. Lenço na mão que alcançava o rosto para enxugar os olhos. Fiquei sem graça de chegar perto. Segui meu percurso. No outro dia, mesmo horário. A mais moça sozinha novamente, sentada no banco da pracinha. Lenço na mão enxugando os olhos. Peguei uma flor amarela caída no chão. Assoprei duas formigas que estavam nela.

Entreguei a flor à senhora-moça, que levantou os olhos, deu um leve sorriso e disse: “Você viu… Ela não está mais… Foi tudo rápido, sem sofrer. E tive o privilégio da companhia da minha mãe até agora, quando chego quase aos 70. Mas essa falta…” Sentei do lado dela e disse que sentia muito, me segurando com todas as minhas forças pra não chorar também. Não por vergonha, não. Mas porque eu não sabia se faria a senhora-moça se sentir mais triste.

Ela perguntou minha idade, se eu ainda tinha meus pais. Disse que sim. “Então, corre pra abraçá-los sempre que você puder. Mesmo que esteja brava por algum motivo, ou que vocês tenham personalidades e opiniões diferentes. Eu tenho tantos bons abraços de lembrança dos meus pais…”

Conversamos mais uns minutos. Me despedi. Na hora que virei as costas, era eu quem enxugava as lágrimas na manga do casaco de moletom. Cheguei em casa e liguei pra mãe. Disse que poderia almoçar com eles no domingo e voltaria para São Paulo segunda-feira de manhã. Sabe quando você percebe pela voz que a pessoa está sorrindo?

O pai foi me buscar como sempre na rodoviária, com a cara de feliz que faz quando me vê. Combinamos que sim, vou acompanhá-lo no Salão do Automóvel (mesmo que eu não entenda nada de carros). Depois do almoço, perguntei pra mãe se ela não queria dar uma caminhada. Era fim de tarde, com vento fresquinho. Dei o braço pra ela apoiar…

Percebi que há algum tempo voltei a chamar a casa dos meus pais de ‘minha casa’. E a senhora-moça voltou a caminhar pelas ruas do bairro, num horário um pouco mais tarde. Ela tem a filha para acompanhá-la.

* Crônica originalmente publicada por Suzane G. Frutuoso no Jornal da Tarde (2012)

***
Para comprar on-line meu livro Tem Dia Que Dói – Mas não precisa doer todo dia e nem o dia todo (Editora Volpi & Gomes), acesse: https://temdiaquedoi.lojaintegrada.com.br/

Anúncios

Cada momento da vida

Eu já me permiti um período absolutamente slow life. Tirei um sabático de sete meses quando a vida pedia reflexões, reavaliações e transformações profundas. Foi ótimo. Me dedicava ao mestrado, aos livros, a idas ao cinema, às viagens… Passava um tempo precioso e de qualidade com a minha família e meus amigos. Era 2012. Comecei ali a construir pedacinhos pequenos de realizações que se tornariam reais agora, nos últimos meses.

E, então, que esses tais últimos meses passaram a ser o completo oposto do período sabático. Mas também cheios de valor. Os planos idealizados na calmaria inauguraram dias repletos de acontecimentos, reuniões, gente nova, algumas frustrações naturais dos riscos, uma dose a mais de sangue frio para lidar com situações/pessoas, celebrações esfuziantes até das menores vitórias.

Parece que o que aconteceu há uma semana faz tanto tempo. O que ocorreu há meses se mostra absolutamente distante. Há toda uma estrada sendo construída com as pedrinhas do caminho. Que bom.

Tanto movimento hoje. As lembranças daqueles meses mais contemplativos. Cada momento da vida carrega sua preciosidade, seu ensinamento. A gente precisa é parar de lamentar os desafios que acompanham cada fase. Chega de “não sei”, “não quero”, “não mereço passar por isso”. Foca no “o que posso fazer”. Aprender a pedir ajuda quando necessário (e estar disposto a ajudar porque um dia todo mundo precisa ser ajudado) também vai fazer diferença, aliviar os temores.

Vai ser fácil? Não vai, não. Mas vai ser rico se você apreciar a jornada e enxergar tudo indo além de si mesmo.

Crédito da imagem: blog Eu Amo a Vida

Para um novo ano, construa um novo eu

capa_es_habitos-839x283

Toda virada de ano a gente promete: vai ser diferente.

Vamos ser melhores. Vamos acertar mais. Vamos nos dedicar ao que realmente tem valor, focar em projetos pessoais e profissionais que nos farão mais felizes. Passaremos tempo de qualidade com quem amamos e… já quebramos as promessas. Lembrando que hoje ainda é dia 5 de janeiro!

A mudança, é verdade, não é um processo fácil e rápido. Antes dos passos que de fato levam à transformação vem a conscientização de que do jeito que tá não dá. Não tá bom, não tá feliz. O problema é que muitas vezes esperamos as insatisfações chegarem ao limite (ou ir além dele) para só então agir. Pode ser pior também: carregar a vida sem coragem de correr mesmo atrás do sonho, dos tais dias melhores.

Não adianta ter se vestido todo(a) de branco no Réveillon para ficar em paz e insistir em comportamentos que despertam angústia, em si mesmo e em quem nos cerca; que levem à guerra e não ao entendimento.

A blusa rosa não tem efeito algum se não há respeito, admiração e companheirismo em uma relação, que é o que faz o amor ser real e se renovar a cada dia. Se quem deseja iniciar uma relação não descola de atitudes egoístas, narcisistas, irresponsáveis e incapazes de criar laços sinceros e fortes de afeto.

O azul só permite saúde pra quem cuida do corpo, da alma e da mente. Pra quem não deixa a promessa de uma reeducação alimentar ser quebrada pela promoção de chocotone (essa é mesmo um desafio, eu sei… rsrs…); pra quem para de arrumar desculpas de não ter tempo, dinheiro e lugar, mesmo sabendo que 30 minutos de caminhada três vezes por semana já traz disposição e ajuda na perda de peso. Enfim, pra quem levanta a bunda do sofá e se mexe, pra quem mantém cardápio em equilíbrio, pra quem dedica algumas horas necessárias ao autoconhecimento – e não bobeia na bateria de exames anuais.

E não tem calcinha/cueca amarela que dê jeito na falta de dinheiro, de prosperidade, se não há determinação pra fazer um trabalho cada vez mais bem feito; se cada horário de almoço só serve para reclamar com os colegas (esse tempo tão mal gasto é o ideal para alimentar seu networking e cair fora do atual emprego – ou você gosta mesmo é de reclamar?); se o salário é torrado todo mês e nada é poupado para emergências e, justamente, para te dar margem de segurança na hora que provocar transformações significativas na vida.

Não basta. Cores das roupas são simbólicas. Sua vida ganhará um colorido especial de verdade quando você quiser sair dos dias cinzas que criou pra si mesmo. Para um novo ano, construa um novo eu. 2017 tem tudo pra ser especial. Mas cada um precisa fazer sua parte.

Crédito da imagem: site Elegante Sempre

Charlotte, a viralatinha

img_20161103_190405

Aquela é uma das lembranças mais tristes que tenho da vida. Uma lembrança triste, bem no doce período que deveria ser a infância. Ainda hoje me recordo dos olhinhos vidrados, direcionados à minha mãe, que chorava e massageava o coraçãozinho dela. Estava deitadinha, enrolada num cobertor, embaixo da cristaleira da sala de jantar. Minha vó Lourdes também chorava muito, assim como meu irmão e eu.

Soraia, nossa cadelinha Basset, morreu de problemas cardíacos já velhinha, quando eu contava uns 4 anos. Apesar da pouca idade na ocasião, a imagem se manteve muito clara na minha memória. E como doeu em toda a família. Especialmente na minha vó, que ficara viúva há cerca de um ano.

Desde então, cresci numa casa cheia de gatinhos abandonados. De tempos em tempos, lá apareciam eles na nossa porta. Eram bem cuidados, com carinho. Mas cachorro nunca mais. A mãe não queria de jeito nenhum. Não que a dor pelo adeus aos gatinhos fosse menor. Mas nunca aconteceu em situação tão dramática quanto a morte da Soraia.

Só agora, poucos anos atrás, o pai e a mãe herdaram duas cadelinhas que eram de uma senhora amiga da minha vó. Já eram velhinhas… Faleceram também… Pai e mãe ficaram tristes… Quando foi a Bolinha o pai até chorou escondido no jardim. Mas lá já está a Potiche, mais uma gatinha abandonada que apareceu na casa dos meus pais, toda fofa, meiga e fazendo companhia a eles.

Tirando essa experiência de conviver com os bichos, nunca tive de fato responsabilidade de cuidar de nenhum. Nunca tive animalzinho no meu apê onde moro há dez anos. 2016, no entanto, anda cheio de surpresas bonitas do destino. E essa lindeza aí da foto é minha pequena vira lata, a Charlotte. Aliás, Charlotte Skyla. O primeiro nome foi escolha minha. O segundo, do meu sobrinho – que se inspirou em uma mestra Pokemón (???).

Charlotte é sapeca. Uma espoleta. É bebê, de quatro meses, e acha que a vida é brincar. Tá certa ela. Dorme bem a noite toda sem chorar. Faz as necessidades direitinho no pipi dog que comprei. Precisa aprender a morder só os brinquedos dela – não os móveis! Faz essa cara linda quando leva bronca, mas também quando recebe carinho. E retribui com lambidinhas. Meu irmão e minha cunhada que resgataram ela da rua. O melhor presente que ganhei nos últimos tempos. ❤

Charlotte já mostra a que veio: me ensinar um novo tipo de responsabilidade, a contar com uma companhia diferente no meu dia a dia, a educar com paciência e a ter o coração partido quando é preciso deixar a bolinha de pelo sozinha quase o dia todo. Mas o coração também fica mais em paz quando lembro que ela não é mais um bichinho perambulando pela rua tentando sobreviver à incerteza.

Com minha viralatinha meus dias ficaram ainda mais agitados! Mas enquanto escrevo tenho um quentinho enrolado no pé, aqui embaixo da cadeira. E ganho esse mesmo quentinho encostado na perna enquanto assisto Netflix e ela rói o osso, ambas esparramadas no sofazão.

Chega a hora de dar boa noite. Ela me olha com esses olhos expressivos quando a coloco na caminha lilás e florida. Um afago na patinha, uns beijinhos na cabeça e percebo os olhinhos me fitando de novo, cheios de reconhecimento e afeto, que já nem me vejo mais sem. Então, só consigo desejar: viva muito, por favor. ❤

Delicadeza em papel, caneta e colorido

14202934_605781756258138_522602583_o

A gente às vezes perde muito tempo pensando em como poderia ajudar alguém. Acaba sem de fato ajudar, sem saber o que fazer. Dizer que não tem tempo é de praxe. Não é nem que não é verdade. Nos enrolamos mesmo nesse cotidiano preenchido demais. Sempre existe, porém, um caminho. E a ideia simples, mas desenvolvida com dedicação e carinho, pode ser bem impactante. Ter um efeito tão positivo que permite às pessoas retomarem sonhos, se reerguerem, recomeçarem. Acreditarem em dias melhores.

Hoje eu trago aqui no blog dois exemplos bonitos de projetos criativos que estão ajudando muitas mulheres pelo país. Por meio de cartas com palavras de acolhimento e ilustradas com sensibilidade, as voluntárias dizem “você não está sozinha”. Vocês precisam conhecer! Abaixo, mais detalhes dos projetos “Eu vejo flores em você” e “Flores e Histeria”:

Eu vejo flores em você (www.euvejofloresemvoce.com / www.facebook.com/asfloresemvoce/)

Feito por garotas que se viram em situações difíceis e encontraram na troca de cartas um jeito de apoiar outras mulheres. Diz a página do Facebook do projeto:

“Nós ilustramos cartas de mulheres para outras mulheres e enviamos por correio sem custo algum, mas num envelope lotado de amor! Para ver algumas das cartas já enviadas, acesse euvejofloresemvoce.com.”

As meninas também vendem cadernos do tipo Moleskine (com impressão em couro sintético) por R$ 50. A receita é revertida para pagar os custos de produção; pagar um caderno de presente para cada voluntária que está trabalhando intensamente desde fevereiro no projeto; cobrir alguns custos recorrentes do projeto; e financiar novas ações, inclusive a produção do livro para a gaúcha Gisele Santos, que teve as mãos decepadas por seu companheiro (http://bit.ly/campanhagisele).

Flores e Histeria (www.facebook.com/floresehisteria/)

Como diz a página do Facebook do projeto, “a decisão do tema veio da necessidade de reduzir a distância e a frieza com que, geralmente, a grande mídia trata os casos de transtornos psiquiátricos, que, com frequência, incidem mais sobre o sexo feminino. Não queremos falar de estatísticas, números ou estudos. Nosso objetivo é trazer a delicadeza e sensibilidade que estão em falta. Queremos promover o amor e carinho que existe entre as mulheres nesta condição. Ainda somos um grupo – uma dupla, na verdade – bem pequeno, então vamos explicar aqui como vai funcionar a primeira fase de “teste”:

• Vamos criar um formulário para receber as histórias e dados das interessadas em participar do projeto.
• Vamos fazer um processo de “triagem” (infelizmente, já que a gente queria poder mandar cartas para todas…), e entrar em contato.
• O critério principal da triagem será a diversidade (realidades distintas, diferenças regionais e culturais, etc).
• O contato será feito totalmente de forma virtual e a seleção dos pares (quem entrará em contato com quem) será feita por nós.
• As selecionadas vão encaminhar as cartas para nós (por e-mail) e todo o processo de escrita, ilustração e o envio ficará por nossa conta.
Nossa ideia é que isso ocorra mensalmente, criando assim um grande vínculo e um núcleo de mulheres que possam se ajudar com carinho, atenção e cuidado.”

As meninas, que são voluntárias em ambos os projetos, são uma excelente inspiração para começarmos mais uma semana. São alento em tempos em que tantas vezes nos custa acreditar na humanidade. Mas sempre tem quem se importe. Sempre vai existir quem seja capaz de espalhar doçura e delicadeza por onde passar.

Crédito da ilustração: Letícia Rodrigues

Flores no asfalto

flor no asfalto

“Para Suzane, um pequeno manual de como encontrar flores no asfalto.”

A dedicatória era simples, curta, mas cheia de sentido em apenas uma frase. Coisa de poeta mesmo.

***

Há um mês comecei um curso de comunicação corporativa em uma das mais renomadas instituições de ensino do país quando se trata do universo empresarial.

Na aula da última quinta-feira, o professor nos falou sobre visão, imagem, identidade, reputação. Gostei muito. Interessante perceber e entender que a essência, no caso das empresas, está sempre lá na marca que carregam. Em seus logos, escudos, que nos levam a identificá-las. O recado que esperam passar. Mesmo que não escancarado, mas no detalhe, talvez na menor parte da imagem, na ideia que deseja transmitir. No nosso subconsciente.

A ideia de que parece que a gente não sabe, mas no fundo sempre soube. Acontece o mesmo, vejam só, com as pessoas que lidamos. Visão, imagem, identidade, reputação. Essência. O que tenta ser, parecer, e o que é de fato.

Mas enfim…

O professor, Marcílio Godoi, é também escritor. E no final da aula sorteou entre os alunos três de seus livros. Ganhei um deles! Justamente o de poesia, esses escritos que desmancham meu coração.

“Para Suzane, um pequeno manual de como encontrar flores no asfalto.”

Abri um sorriso tímido diante da dedicatória. Mas será que nessas de decifrar e criar os símbolos e signos das marcas, o professor também decifra os alunos??? Não o conhecia previamente. Como saberia que eu ando, justamente, tentando encontrar doçura no árduo? Ou “flores” no “asfalto”?

Em verdade, quem não está… Vivemos dias duros, de egos superlativos, de mentiras públicas e privadas, de convivência com gente que parece mas não é. Tudo fake demais. Da política que guia nosso país às relações sociais.

Desanima. Mas aí surgem aqueles capazes de enxergar a delicadeza até no asfalto. De inspirar, seja com uma boa aula, com palavras, com um livro. Ou com um abraço amigo. Ou ajudando você a não esquecer quem você é, o que já construiu, o que realizou – aqui, em geral, entram aqueles amigos de longa data, que até apontam suas fraquezas como aprendizado, mas te dão um sacode porque conhecem em minúcias o seu melhor. E ninguém pode esquecer do seu melhor!

Ainda tem muito asfalto quente pra gente pisar e se queimar nessa vida, sem dúvida. A quantidade de flores no caminho, porém, pode ser da mesma proporção. Sim, precisa de resiliência. Fé. Um mea-culpa pra ver onde errou. Desejo de transformação sincero. Se cercar de pessoas que tragam luz aos nossos pensamentos e ações. Deixar para trás o que já serviu de lição (pessoas, atitudes, situações). Perdoar.

Não é impossível, não. Dá pra colher buquês inteiros! Precisa atenção. As flores caem no nosso colo, nas nossas mãos, são jogadas pelo vento no nosso destino. Apenas, preste atenção.

Crédito da imagem: blog Universo em Poemas